Muito tem se falado sobre as transformações que estão acontecendo no mercado de trabalho. Por conta da tecnologia, algumas carreiras deixarão de existir e outras novas surgirão. Segundo a Revista Exame, “ainda não há consenso sobre o número de empregos que serão destruídos por causa da tecnologia. Enquanto alguns estudos dimensionam em 07 milhões as substituições de seres humanos por máquinas nos próximos cinco anos, outros apontam que 30% das vagas serão tomadas por robôs”. E prossegue dizendo que “apesar desses dados inquietantes, muitos cientistas acreditam que seremos parceiros de robôs, não inimigo deles. Segundo uma pesquisa, para cada posto de trabalho eliminado, 2,4 novos serão criados, principalmente em startups”.

Para o profissional permanecer no mercado de trabalho ou conseguir uma melhor colocação, deverá manter-se atualizado, para ser competitivo, e desenvolver as habilidades e competências exigidas por essa nova realidade.

Mas, como fazer isso?

Você sabia que a tecnologia pode ser uma grande aliada nessa busca? Aprenda a usá-la a seu favor. Veja como:

A internet poderá ajudar a incrementar o curriculum vitae do candidato. Alguns sites oferecem cursos técnicos ou de especialização online, muitas vezes gratuito e sem a necessidade de sair de casa.  Busque o curso mais adequado ao seu perfil, ele será importante para você se destacar no meio. Além disso, há sites que dão dicas sobre como organizar e adequar as informações inseridas no currículo.

Quer saber quais empresas estão contratando? Há vários caminhos. Pesquisar nos sites de busca pode ser um bom começo. Mas há sites especializados que direcionam o currículo do candidato para as empresas que mais se adequam ao seu perfil. Outra opção seria o uso de plataformas como o Linkedin ou redes sociais (como Facebook e Instagram) da própria empresa.

E antes de participar da entrevista de emprego, procure saber um pouco mais sobre a empresa. O que ela espera dos funcionários? Qual a expectativa sobre a atuação do candidato em determinada área? Qual o ramo de atuação? Qual a área em destaque? Demonstrar conhecimento e interesse poderão significar um ponto positivo e decisivo na hora de escolher o novo colaborador. Tais informações, geralmente, podem ser encontradas em sites de busca, nos sites das próprias empresas ou nas suas redes sociais.

Um ponto que merece destaque são as redes sociais. Como muitas empresas buscam informações e avaliam o candidato pelos posts compartilhados em suas redes sociais, lembre-se de que a reputação digital dele poderá ser definitiva para a sua contratação . Portanto, bom senso, sempre. Preste atenção e reflita sobre o conteúdo que será postado. Não publique fotos comprometedoras, respeite as regras gramaticais e seja respeitoso ao divergir dos comentários dos internautas. Além disso, não faça das redes sociais um canal de murmúria e reivindicações trabalhistas. Saiba mais.

Não dá mais para separar a vida offline da vida online. Segundo a especialista em Social Business da Digital Marketing Solutions, Denise Maia, “é impossível criar uma personalidade para o meio social e outra para o meio profissional. Muitos costumam ser uma pessoa no Facebook, por considerar um canal mais descolado, e outra no Linkedin, que é uma plataforma de cunho professional, mas na opinião da especialista a postura em uma rede social reflete diretamente na outra e cria uma reputação digital” (economia.ig.com.br/2016-12-01/reputacao-digital.html).

E vários são os exemplos do que não deve ser publicado nas redes sociais, como o caso de um policial que foi demitido da polícia britânica depois de ter publicado mais de 800 tuítes criticando a corporação; uma atendente do 911, serviço de emergência da polícia dos Estados Unidos, foi demitida por publicar comentários racistas em seu perfil; uma britânica, com 17 anos, foi selecionada para trabalhar como comissária da juventude no Reino Unido, mas menos de uma semana depois, teve de se desculpar por causa de postagens feitas no Twitter quando tinha entre 14 e 16 anos. Após a polêmica, ela deixou o cargo.

Portanto, todo cuidado é pouco. Utilize as redes sociais de forma positiva, seja para fazer networking, conectar-se com pessoas da sua área, trocar informações ou ressaltar os pontos positivos da sua carreira.

E aos pais e/ou responsáveis que estão pensando que esse artigo vale apenas para os adultos, não se enganem. O diálogo e a conscientização sobre o uso ético, responsável e positivo da internet devem acontecer a partir do momento em que os seus filhos(as) tenham acesso à internet para que os riscos a que ficam expostos sejam mitigados. O exemplo citado acima da menina britânica de 17 anos reforça isso. A internet é uma ferramenta fantástica, faça dela a sua maior aliada, sempre!! #tecnologiaemercadodetrabalho #useainternetcomoaliada #usopositivodarede

 

Por Sílvia Opice Blum Vidal.