Você sabe quais são as principais consequências do bullying? A escola é onde as crianças se tornam cidadãs, mas, além da proposta de aprendizado, o local é um palco frequente para brincadeiras de mau gosto que saem do controle e afetam a vida de muitos estudantes.

Para detectar e combater o bullying, de modo a garantir um desenvolvimento saudável aos pequenos, é importante entender o que é esse problema social e seus desdobramentos. Acompanhe o post e saiba mais sobre o assunto!

O que é bullying?

O bullying é caracterizado por agressões intencionais e repetitivas que ocorrem de maneira física, verbal e/ou psicológica contra uma pessoa. Embora seja uma prática mais comum em escolas, a situação pode acontecer em diferentes contextos sociais, como universidades, ambientes de trabalho e, também, núcleo familiar. Inclusive, uma criança que vive em um clima de desrespeito e assédio dentro de casa tende a ser a agressora, oprimindo os colegas.

É necessário lembrar que nem sempre esse problema aparece na forma de um olho roxo ou de outros tipos de hematomas. Além disso, às vezes, um apelido, aparentemente inofensivo, pode gerar danos irreparáveis no alvo da ofensa. Para compreender melhor, veja quais são os tipos de bullying:

Quais as consequências do bullying?

É válido ressaltar que o bullying não é uma “mera brincadeira de criança”, pois a prática pode afetar uma pessoa de forma grave e abrangente. Confira 5 razões pelas quais você deve prestar atenção aos sinais que são manifestados.

1. Agressividade

Além do comportamento problemático dos ofensores, a vítima pode parecer sempre na defensiva e demonstrar sintomas de estresse e agressividade para com os demais, como pais, professores e colegas. Ademais, quando essas situações desagradáveis acontecem dentro da sala de aula, o professor pode ter dificuldade em obter a concentração dos alunos.

Mais do que um desconforto, o bullying contribui para um clima de angústia e medo no ambiente escolar, marcando a vítima e moldando sua personalidade. Afinal, trata-se de uma criança ou adolescente que está descobrindo o mundo e crescendo.

Isso pode afetar a vida de uma pessoa de tal forma a ponto de cooperar para a construção de um adulto agressivo. Lembre-se das diversas manchetes dos últimos anos que informaram ataques motivados pelo bullying.

2. Conflitos na aula

As piadas maldosas, os xingamentos e até alguns tipos de agressões físicas podem acontecer dentro da escola e interromper a aula. Nesses casos, o professor pode ter dificuldade para expor o conteúdo e atrair a concentração da turma.

O impasse deve ser resolvido no momento em que acontece e encarado com a seriedade que merece. De outra forma, a violência pode evoluir, alcançando níveis ainda mais difíceis de lidar. Por essa razão, é fundamental que a escola esteja comprometida com o desenvolvimento de atividades educativas acerca do bullying, orientando os estudantes e punindo os agressores.

3. Desinteresse pela escola e queda do desempenho

É comum que o aluno, vítima de bullying, tenha pavor de ir às aulas, uma vez que os ataques não colaboram para um ambiente propício para o aprendizado. Esse quadro favorece o desinteresse pelas atividades e tarefas escolares.

Nesse sentido, as experiências traumatizantes podem levar ao desenvolvimento de uma fobia escolar, isto é, um medo intenso de frequentar a escola, o que pode resultar em inabilidade social, repetências por faltas, queda do desempenho e, até mesmo, evasão escolar.

O bullying, portanto, é um problema muito sério que deve ser acompanhado pelos pais, pois, além de carregar uma série de dificuldades pessoais devido à violência, a pessoa que desiste precocemente dos estudos corre o risco de perder diversas oportunidades ao longo da vida.

4. Transtornos psicológicos

O isolamento, as humilhações e a forte sensação de medo propiciam impactos a longo prazo nas vítimas do bullying. Baixa autoestima, insegurança, ansiedade, estresse, ataques de pânico e depressão são alguns exemplos.

Por outro lado, os autores do bullying também precisam de atenção, visto que o mau comportamento apresentado pode ser uma extensão das agressões sofridas em um ambiente familiar tumultuado, sem a presença dos genitores e/ou sem limites. Geralmente, esses jovens são imaturos, hiperativos, dispersivos e têm necessidade de autoafirmação.

5. Distúrbios alimentares

Uso de óculos, peso, altura, cor de pele, cabelos, religião, timidez e outras coisas banais são motivos para o bullying. Nesse contexto, muitas crianças que são vítimas desse problema social passam a acreditar nas ofensas e a se enxergar com um olhar tão crítico e cruel quanto o do agressor.

Ou seja, a autoimagem é diretamente afetada e é assim que começam os distúrbios alimentares. Um exemplo disso é quando, determinado a mudar sua estética a fim de se livrar dos ataques, o jovem se submete a regimes rigorosos para emagrecer, ocasionando transtornos como bulimia e anorexia.

O desenvolvimento dessas patologias acontece com frequência em vítimas de bullying e pode levar à desidratação, à desnutrição e à morte. Sendo assim, é imprescindível estar atento a esse sinal e a outros, como o consumo de bebidas alcoólicas e de drogas ilícitas.

Como detectar esse problema social?

Muitas vezes, o bullying tem consequências devastadoras para suas vítimas, por isso quanto mais cedo detectado, melhor. A seguir, confira alguns sinais que a criança pode apresentar quando vivencia esse problema social:

Também é possível verificar algumas características apresentadas pelos autores do bullying. Veja:

As consequências do bullying podem marcar, negativamente, uma pessoa por muitos anos. Isso acontece porque os traumas dessa infeliz experiência mexem com a saúde mental e física, podendo, inclusive, significar risco de vida. Logo, é imprescindível notar os primeiros sinais e reagir às ocorrências agilmente.

Esperamos que você tenha gostado deste conteúdo. Agora, compartilhe nas suas redes sociais para que outras pessoas possam lê-lo também!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *